Seu navegador tentou rodar um script com erro ou não há suporte para script cliente.
Início do conteúdo
Página inicial > Produtos e Serviços > Obras Publicadas > Parceria entre IEL e Corag traz análise da obra Machadiana por Augusto Meyer
RSS
A A A

Parceria entre IEL e Corag traz análise da obra Machadiana por Augusto Meyer

Capa do livro
Machado de Assis, por Augusto Meyer - Foto: Divulgação

O livro "Machado de Assis", do crítico e poeta gaúcho Augusto Meyer, imortal da Academia Brasileira de Letras, compila um ensaio do ano de 1935, um de 1937 e diversos estudos escritos entre 1938 e 1958 sobre a obra do autor carioca.

Nas palavras de Otto Maria Carpeaux, o maior de nossos críticos literários, em "Pequena Bibliografia Crítica da Literatura Brasileira", "a fase moderna da crítica machadiana começou com o brilhante ensaio de Augusto Meyer, de 1935, apresentando um Machado diferente, de ocultas dimensões espirituais, personagem demoníaca, desvendando segredos da alma humana e infra-humana".

Ainda que proeminente poeta, digno dos elogios de Graça Aranha, Manuel Bandeira (que o incluiu em uma antologia poética do Brasil), Vinicius de Morais (fez o mesmo em uma antologia no idioma espanhol), Mário de Andrade (que afirmou ser "Literatura e Poesia" "um dos melhores livros de poemas em prosa que já se publicou no Brasil") e Monteiro Lobato (várias vezes o referindo como "o grande Augusto Meyer"), é sua crítica machadiana que consegue sobrepujar mesmo a grandiosidade de sua obra lírica, muito em parte por sua elegância estilística de experiente escritor, além da profunda análise psicológica que faz da ficção de Machado.

Como conclui Augusto Meyer no final dos ensaios publicados no ano de 1935, "há em Machado de Assis todos os venenos e todas as dissoluções do pensamento. Só a indiferença, porém, é morte. E o que dá um sentido vivo à sua obra é aquela inquietação dolorosa que nunca se resigna inteiramente. Ao lado da 'voluptuosidade do nada' aparece a 'alma curiosa da perfeição'. Uma e outra se completam perfazendo o contraponto emotivo que às vezes transforma essa obra monótona, desfigurada pelo vício da acrobacia humorística superficial, num grande solilóquio humano e comovido".

A publicação "Machado de Assis (1935-1958)" pode ser encontrada no Armazém Literário da Corag (Rua Caldas Junior, 261). Entre em contato pelos telefones (51) 3224-6636 e (51) 3221-3516.

Endereço da página:
Copiar